Fazer valer o seu direito.                                                                                                                  Texto de Mônica Xavier

“A habilidade é propulsora para que se possa exigir direitos” Dra. Maria Aparecida Gugel

Passei os últimos três dias participando do VII Congresso Brasileiro sobre a Sindrome de Down. Foram dias intensos, de muito aprendizado e trocas de experiência. 
Mas, se você ja me conhece pelo menos um pouquinho, sabe que foram dias de muito questionamento e de também "pensar fora da caixa”.

Não, não tenho filhos com deficiência. Não, não trabalho com pessoas com deficiência. 
Sou mãe. 
Mãe como você. Tenho os mesmos anseios e as mesmas inseguranças que você.

Questiono, constantemente, meu papel, minha função e até a minha presença. Tenho certeza que ser mãe é muito bom. Mas, também sei que, em alguns momentos, ser mãe é difícil demais.

Em Curitiba falou-se em inclusão o tempo todo. Inclusão na escola e no trabalho. Inclusão na vida.

Mas, para incluir, muita coisa ainda precisa ser feita.
Famílias precisam ser acolhidas, como qualquer outra família o é, na hora em que um bebê com deficiência chega. Há estereótipos, mitos e muito preconceito a serem trabalhados para que a família venha a ser reidealizada. 
O bebê precisa ter acesso a programas de saúde eficientes e eficazes para que seu desenvolvimento possa ser o melhor possível.

O sistema educacional precisa deixar de pensar só em desempenho e valorizar competências ao invés de competitividade. E, cá em nós, competências todos temos. E é justamente por isso que cada um exerce uma função e ocupa o seu lugar na nossa sociedade.

O mercado de trabalho precisa tomar posse da sua função que também é social.

Mas, sabe do que senti falta? 

Ninguém falou em preparar esses meninos para a vida.
Ninguém falou em como capacitar para o trabalho.
Ninguém falou em competências

Mas falou-se em ocupar lugares com legitimidade o tempo todo.
Só não se lembrou que legitimidade não se impõe, conquista-se!