Essa história de SOS babá.                                                                                                                                                     Texto de Mônica Xavier

Ontem cedo resolvi assistir um pedacinho do programa do canal Home & Health. Aquele programa que manda uma estranha na sua casa para avaliar o seu trabalho como mãe e sugerir mudanças para que uma convivência melhor seja possível entre os membros de sua família.

Tenho alguma ideias pré concebidas em relação a algumas coisas. Talvez até pré concebidas demais. Mas não se preocupem, ainda não cheguei a nenhuma conclusão sobre esse tipo de intervenção.

Durante o pouco tempo que me senti com estômago para assistir "essa coisa" eu ouvi as seguintes pérolas; "a infeliz da mãe", "a mãe despreparada", "falta empatia entre essa mãe e sua filhinha", "você precisa se esforçar mais" (a mãe), premie sua filha por seu bom comportamento e ela não se sentirá frustrada quando você a corrigir e precisar colocá-la de castigo.

Precisei mudar o canal ...
Não aguentei mais tanta bobagem. Acredito que minhas ideias sobre esse tipo de intervenção/exposição do ser humano deixaram de ser pré concebidas. Agora eu digo com certeza: esse tipo de programa é um desserviço!

A mãe do tal programa precisava dar conta de tudo. Dois filhos pequenos, a rotina da casa, levar e buscar na escola, cozinhar, lavar, atender o marido...quer mais?
Claro que a mãe era despreparada. Filho algum, infelizmente, não vem com manual.
Ser chamada de "a infeliz da mãe" por ter tido dificuldade em lidar um uma menina birrenta de 5 anos....cruel. Pedir a uma mãe que se esforce mais é desumano.
Premiar uma criança por seu bom comportamento para que ela não se fruste? Oi? Frustração faz parte da vida e todos temos que lidar com ela.

Talvez eu descubra uma série de possíveis inimigos com esse post, mas ouvi tanta bobagem em tão pouco tempo que me senti até mal!

Mãe, não importa se de primeira viagem ou se você já tem 3 ou 4 filhos, você precisa ter em mente que está fazendo o melhor que sabe e que pode. E admiro você por isso.
Não se deixe enganar por gente que não vive a sua vida e não paga as suas contas e ainda acha que tem o direito de julgar seu comportamento, suas ações e reações. É muito fácil dar palpites quando a sua vida não é a mesma que essa "gente" vive.
Liberte-se.
Seja você mesma.
Você é perfeita do seu jeito.