Depressão e suicídio - preciso falar sobre isso.                                                         Texto de Mônica Xavier 

Cansamos de ouvir dizer que depressão é coisa séria.

Ao mesmo tempo, também estamos cansados de ouvir que a depressão não passa de um tristeza profunda, aquela melancolia que criou os grandes poetas.

Depressão chega a ser tão subestimada que tem gente por aí dizendo que ela nada mais é do que "preguiça existencial".


Convivendo com essa doença há mais de 10 anos, digo com certeza de que depressão é muito, muito mais do que o que dizem por aí.

Depressão é um tsunami que vem para destruir.

Ela rouba sonhos, leva embora a esperança, quebra laços afetivos.

Depressão adoece e aprisiona.

Depressão, quando não coloca a vida na estante, tira a vida.

E deixa bem claro que o controle não é você quem tem.


Chega a hora em que a depressão é tão incapacitante que a única saída parece ser a morte.

No fundo, no fundo, depressão é como o câncer.

Quando corroído pelo câncer, desistir é um ato heróico.

Mas, quando a depressão corrói, desistir é covardia. Em vez de herói, o suicida é egoista.

Alguém disse uma vez que "suicidar-se é sair da vida batendo a porta".

Na verdade, pensar em desistir é sinal de exaustão. Chega uma hora em que o corpo não mais aguenta e a cabeça literalmente pira!

E, quem já não aguenta mais sofrer torna-se o vilão da história.

Olhamos para ele com frustração enquanto perguntamos que direito ele tem de fazer isso com a gente. Olhamos com indignação. No lugar de um olhar misericordioso, o olhamos com raiva, muita raiva, e sentimos em nós mesmos uma vontade enorme de desistir.


A família inteira sofre. A família estendida também sofre.

Olhamos no espelho e, além do sentimento de impotência, nos sentimos um fracasso.

Onde será que erramos?

Por que acertar é tão difícil?

Por que psiquiatras se sentem semi deuses e tratam a nós, mães, com tanta indiferença?

Por que os médicos do pronto socorro, quando lá chegamos desesperados e desorientados, nos olham com pena como quem diz que fracassamos?

Por que os amigos se afastam?

Talvez nós é que nos afastemos pelo cansaço, pela culpa, pela vergonha.


Depressão é como droga.

Tornamo-nos co-dependentes do deprimido.

A vida perde a cor...

O casal só pensa em como aliviar a dor um do outro sem, no fundo, saber o que fazer.

Os outros irmãos são esquecidos.

Acordar a cada manhã vai ficando cada vez mais difícil, olhar para o filho deprimido e perceber seu olhar vazio e distante é incapacitante!


Mas, a vida continua.

Temos outros filhos.

Temos outras ocupações.

Também temos nossos sonhos, descobrimos outros sonhos.

E, como Rubem Alves, pensamos na ostra.

"Ostra feliz não faz pérola".

Haja pérola!!